ao fim da noite
   
 
 

  Histórico

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros sites
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis
 karina abramovich
 Beatriz Bajo
 Céline
 Richard Brautigan
 tom waits
 nelson magalhães filho
 glauco mattoso
 Ricardo Miyake
 juliana
 fabiana vajman
 nilto maciel
 val freitas
 tavinho paes
 literatura sem fronteiras




 

 
 

sobre o amargo do beijo

 

 

ainda

 

 

não faço mais que tocar a periferia de sua existência. mas um estranho orgulho nos impele não apenas possuir o outro  mas a forçar o seu segredo, não apenas a lhe ser caro mas a lhe ser fatal.
baudrillard

 

 

 

ela não me conhece. ela não sabe nada de mim. para ela eu não existo, ainda. então ela acende o cigarro e fica olhando o branco das paredes. pinta as unhas com esmalte neutro (na lua dos olhos um velho blues). foge da chuva e chora desesperadamente durante o banho. ela não entende, há algo dentro dela que não incendeia, que pulsa mudo, sem nome, sem rosto, numa febre, uma espécie de corte por dentro e esse algo sou eu. mas ela não sabe, ainda.

 

daí a madrugada fria com vodca e estrelas amargas. o papo grandiloqüente dos heróis da tv e dos barzinhos subterrâneos. ela, inclusive, é o “amorzinho da vida” de um dos heróis. o cara, diga-se, é um deus do undeground: barbicha mangue beat, olhar lânguido de anjo caído e frases de nietzsche, bukowski, kerouak e fante engatilhadas, tudo no lugar. ele diz: “você é a minha camila e eu o seu bandini. vem cá, chupa gostoso, boneca!”, e ela vai e chupa. depois, quando o anjo decaído bate asas, ela pensa que não precisava ele ter acendido a porra daquele cigarro e nem ter posto aquele sorriso cretino na cara logo após a trepada. ela pensa nisso com culpa. afinal eles se amam, tanto.

 

em seguida, é o silêncio. a sensação de morte. a vontade de gritar quebrando tudo. ela não entende isso. é algo que a excede. qualquer coisa separada dela que a faz mergulhar no segredo e absorve o que a rodeia. ela se assusta. desconhece essa força contrária que a puxa pru fundo. esse gosto de sangue aéreo no céu da boca. esse descontrole que a faz mandar tomar no cu todo e qualquer céu azul, o luar sobre a linha do horizonte e as canções a meia-luz do djavan. ela sente medo e pergunta ao espelho do banheiro: “caralho, o que é isso?”, e isso sou eu. mas ela não me conhece. ela não sabe nada de mim. para ela eu não existo, ainda. e é por isso que o espelho do banheiro fica mudo, a encarando com os olhos manchados de rímel como se chorasse lentas lágrimas negras.

 

sem saber como, no entanto, ela consegue ouvir a música das longas avenidas vazias. dentro do quarto escuro seu olho brilha. por isso, ela grita abrindo os braços. quer tentar o vôo pulando do 12o andar. mas uma voz sussurra que ainda não – e há ternura e sal voador nessa voz que é minha e que ela não sabe, ainda –, que sorria pra morte e dance sobre as brasas, por enquanto. então ela fica ouvindo o eco do seu grito ir se perdendo pelas esquinas, becos e quebradas da cidade adormecida. sente a carícia gelada do vento do fim da noite em seu rosto (nessa carícia meus dedos mexem em seu cabelo, delicadamente) e o coração dispara. ela pensa: “não sei nada. não tenho nada. mas algo se movimenta ao meu encontro, que venha então!” e aí ela procura se interessar pelos cadáveres, pelo vinho dos trapaceiros, pelos vermes da manhã seguinte. acaba adormecendo (abraçada aos quatro travesseiros e chorando bem baixinho que é pra ela e nem deus ouvir), sentindo esse espaço em branco, essa falta, esse torpor que ela não decifra e que assusta mas que a deixa elétrica e tonta e pronta pra mim.

 

 “por que?”, ela ainda pergunta antes de apagar de vez e não há resposta.

 

é que ela não me conhece. é que ela não sabe nada de mim. é que pra ela eu não existo, ainda.



Escrito por jorge mendes às 05h12
[] [envie esta mensagem
] []


 

 

a revista muro publicou concreta, vale conferir porque o texto tá no original.

Escrito por jorge mendes às 02h04
[] [envie esta mensagem
] []


 

 
[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]