ao fim da noite
   
 
 

  Histórico

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros sites
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis
 karina abramovich
 Beatriz Bajo
 Céline
 Richard Brautigan
 tom waits
 nelson magalhães filho
 glauco mattoso
 Ricardo Miyake
 juliana
 fabiana vajman
 nilto maciel
 val freitas
 tavinho paes
 literatura sem fronteiras




 

 
 

sobre o amargo do beijo

 

ela me ama

 

se ela falar que te ama, fuja correndo e não olhe para trás

céline

 

não pensei na morte quando ela disse que me amava. pensei num certo tom de azul logo após o amanhecer, em acordes dissonantes de pianos cheirando a outono, em elétricas pedras de sal e neblina.

 

ponderei, no entanto, que talvez ela só estivesse jogando uma doce roleta-russa com meus nervos (“par eu ganho. ímpar você perde”, ela propôs nua no fogo. fui na dela, claro)  ou querendo meu corpo pra um banquete de sangue e esperma ao luar, vai saber.

 

depois não pensei mais. deixei que ela me amasse simplesmente.

 

então surgiram os artefatos da guerra. as longas madrugadas das estrelas assassinas. o nome do medo preso entre dentes.

 

o negócio é que ela possuía todos os bês do jeitinho que eu mais gostava. isto é, boca voraz (incluindo aí o delírio e a febre da língua e dentinho da frente saltado), bundinha meia-lua como uma bola profissional de futebol de salão e bucetinha subaquática de lábios voadores. delícia.

 

de brinde, seios tímidos de pêra e nuvens, coxas roliças de dançarina de jazz e o caos dos cabelos curtos.

 

- no olhar um verde de piscina com caquinhos de vidro.

 

como não se foder bonito?

 

eu dizia: “você é toda do jeitinho que eu mais gosto” e ela não esboçava reação. apenas dizia que me amava e continuava fixa no branco das paredes.

 

perversa profissional, a putinha.

 

então, quando eu saia pra tomar umas, andar por aí, roubava azaléias e ventos pra ela. na chuva escrevi uns blues amargos pra voz de veludo azul dela (e o céu como que coberto de celofane e o mar cagando pru meu desespero), hai-kais leminskianos pra menstruação, pentelhos, pés e as mãozinhas abismais (os dedinhos dela dentro da noite como pássaros abatido em pleno vôo). mas foi só quando as canções dos sertanejos começaram a fazer sentido é que comecei a ficar preocupado.

 

voltei a pensar.

 

assim, naquele corredor do prédio, as 4:50 da madrugada, depois da nossa voltinha pelo inferno, com o peito saturado de álcool e dores que nunca vão passar, encostei ela no frio da parede, mergulhei no verde de sua piscina de cacos de vidro e perguntei num fôlego só: “escuta, que porra de amor é esse que você sente por mim, afinal?”, aí ela chorou durante todo o mês de julho.

 

em agosto fez frio pra cacete e em setembro ela me deu o primeiro e último e derradeiro golpe de morte.

 

ela disse: “o amor que sinto por você acabou. agora estamos livres!”, e me beijou exatamente como se beija um morto, isto é, com respeito, admiração e repugnância.

 

em seguida, sem olhar pra trás, ela bateu asas em busca de um outro amor otário pra amar.

 

“filhadaputa!”, pensei enquanto ela se afastava.



Escrito por jorge mendes às 03h22
[] [envie esta mensagem
] []


 

 
[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]